A dona da carteira

16:22

Este post faz parte do projeto 642 coisas sobre as quais escrever e este é o item 114, que sugere um texto que fale sobre a maneira como as coisas deveriam ser e também faz parte das 1001 pessoas que conheci antes do fim do mundo, então "senta que lá vem história".

Eu não estou sabendo como exteriorizar tudo isso, talvez não consiga mesmo porque foi muito emocionante e ao mesmo tempo muito revoltante o que me aconteceu no último feriado, mas vou tentar explicar: Estava eu em mais uma das minhas longas viagens para a casa dos meus pais, na verdade aconteceu na volta (já reparou que a maioria das minhas histórias loucas acontecem durante viagens?). Eu gosto das primeiras poltronas, apesar de não ser tão seguro porque em caso do ônibus bater de frente, quem está nas primeiras poltronas vai pro beleléu primeiro né? Mas eu gosto desses lugares porque posso observar melhor por onde estou passando e também porque sinto que é mais "arejado", já que tenho pavor de ar condicionado, principalmente em ônibus. Enfim, eu estava na poltrona 3 e ao meu lado estava uma senhora, até aí tudo normal.

Na primeira parada, que é logo depois do meu embarque e fica meia hora parado para o pessoal almoçar, eu não ia descer, afinal tinha acabado de entrar, mas decidi ir tomar um suco, porque a viagem só estava começando. Quando voltei ao meu lugar percebi que tinha algo no chão, logo abaixo da minha poltrona e fui verificar, era uma carteira!

Esperei a senhorinha voltar também e perguntei se era dela, não era. Então decidi abrir pra ver o nome da criatura que havia perdido, era uma Maria, simpatizo muito com esse nome, afinal minha mãezinha se chama Maria. A senhora do meu lado disse que algumas cidades antes estava uma mulher sentada ao seu lado e supôs que a carteira seria dessa mulher.

Eu então, sem saber o que fazer fui falar com o motorista, felizmente era um motorista muito legal que ficou bastante preocupado com a situação e tentamos juntos achar alguma pista para descobrir a cidade e talvez o telefone da Maria. Não encontramos nada e sem termos opções deixamos a carteira na agência da empresa de transportes, ela ia ficar lá até alguém ir procurar.

Aquilo me inquietou demais, me coloquei no lugar da Maria, imagina, lá estavam TODOS os seus documentos pessoais e cartões de crédito, até ela descobrir onde estava sua carteira já teria entrado em desespero porque né, parece que nossa vida está ali naquele pacotinho de couro. E eu sabia que a agência não ia fazer questão de procurar a pessoa, pra eles tanto faz.

Mas pra mim não era "tanto faz", e decidi que iria encontrar essa mulher. Antes de deixar a carteira lá na agência eu havia memorizado o nome completo da Maria e assim que consegui acessar a internet lá fui eu procurar nas redes sociais. Não encontrei o perfil dela, mas pelo sobrenome encontrei seu sobrinho e lhe enviei uma mensagem. Mas ele não respondeu, fiquei pensando que a mensagem poderia ter caído na caixa de spam e então vendo o local que ele trabalhava procurei na internet o telefone do estabelecimento e liguei. Ele, muito gentil prontamente me passou o telefone da Maria para que eu pudesse entrar em contato.

E então eu liguei pra ela e para surpresa de ambas, ela ainda não tinha se dado conta que perdera a carteira, acreditam nisso? Um dia depois e ela ainda não sabia que estava sem seus documentos. Maria entrou em desespero e eu fiquei assustada porque achei que ela já estaria procurando e sabia do que eu tava falando, mas soltou um "QUE CARTEIRA????". Eu tentei acalmá-la e explicar a situação, passei o telefone da agência onde a carteira estava e disse que ia ligar mais tarde para saber se tinha dado certo.

Acontece que a Maria não era, ~ qualquer pessoa que perdeu a carteira por aí ~, Maria tem sua história, sua vida cheia de complicações e alegrias como qualquer um de nós e eu não sei por qual motivo nossas vidas tiveram que se cruzar. Mais tarde, antes que eu ligasse ela mesma me ligou pra agradecer imensamente por ter ido atrás dela mesmo sem ganhar nada em troca, eu disse que ganhei sim, ganhei como pagamento a alegria de ver alguém grata, ganhei a prova de que fazer o bem sem olhar a quem (literalmente) é uma sensação impagável.

O que mais me deixou emocionada foi que Maria estava investigando a suspeita de um câncer e que no outro dia iria fazer uma consulta para marcar exames na mama e começar toda a sina de um possível tratamento e que precisaria de um cartão do plano de saúde que estava justamente naquela carteira e que sem ele a consulta teria que ser adiada sabe-se lá pra quando. Ainda bem que a carteira chegou até ela a tempo.

E diante de tudo isso o que me deixou indignada foi o fato das pessoas ficarem tão espantadas com um gesto de honestidade, não estou querendo me vangloriar por ter feito isso, muito pelo contrário, isso não deveria ser considerado como um ato heroico ou raro, eu sempre achei que isso deveria ser senso comum. Sabe o senso comum? ~ conhecimento adquirido pelo homem a partir de experiências, vivências e observações do mundo ~ Então, eu sempre acreditei que o senso comum nesses casos seria realmente fazer o que eu fiz, seria ter empatia pelo próximo.

Mas o que vemos é cada vez mais o contrário, cada vez mais aproveitar-se do outro ou da situação tem se tornado comum. Alguém de má índole poderia muito bem ter feito alguma maldade, na carteira não havia dinheiro, mas PASMEM, junto com os cartões de crédito estavam as senhas, infinitas são as possibilidades para aplicar golpes conforme vemos todos os dias nos noticiários.

O importante é que no final eu ganhei uma amiga, porque Maria se tornou uma pessoa muito especial, já conversamos bastante pelo telefone. Talvez nós nunca nos vejamos pessoalmente, mas isso tudo nos marcou de uma forma inesquecível e me fez refletir sobre como as coisas deveriam ser.


"Não há no mundo exagero mais belo que a gratidão."
Jean de La Bruyere

Posts Relacionados

2 suspiros

  1. Menina, que história bacana! Sabe qual a lição que tirei quando li?
    Devemos fazer o bem sem olhar a quem, fico muito feliz quando leio esses textos pois me devolve a fé na humanidade :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Carol,

      Exatamente, fazer o bem sem olhar a quem, é o que tento fazer todos os dias sabe, as vezes consigo esse exito, o que me deixa bem feliz.

      Obrigada por vir visitar aqui sempre <3

      Excluir